quinta-feira, 12 de junho de 2014

A Controlinveste e os jornalistas despedidos

A Controlinveste, um dos maiores grupos portugueses de comunicação, anunciou o despedimento de 160 trabalhadores na rádio TSF e nos jornais “Diário de Notícias”, “Jornal de Notícias” e “O Jogo” (ver aqui: http://bit.ly/1kQP17B), entre os quais 65 jornalistas.
No “Jornal da Tarde” da RTP1 vi o jornalista João Paulo Baltazar a revelar que é despedido da TSF por auferir um salário elevado. Ora, excelente profissional da informação e do tratamento da informação em direto, como se exige numa rádio de notícias, João Paulo Baltazar, que estará no auge da sua carreira profissional, é uma das grandes vozes que restavam dos primórdios da TSF  quando a emissora de rádio era de notícias (ver aqui: http://bit.ly/1qzSmZ8). 
O seu despedimento traz custos para a TSF daqui para a frente. E não me refiro à eventual indemnização a pagar. São outros custos, porém, não estão inscritos na cartilha dos gestores de pacotilha, que é basicamente igual em todo o lado, seja nos governos, seja nas empresas. Gestores que cuidam de segurar os seus lugares, e os lugares dos mais próximos, sem soluções para contrariar o abismo que os circunda, gerindo empresas de comunicação como quem gere fábricas de salsichas – sem desconsideração, obviamente, para este ramo da indústria alimentar, que exige, também ele, conhecimentos específicos.
Estes gestores pensam com a máquina de calcular e não percebem que ter o jornalista João Paulo Baltazar a narrar as notícias da manhã é diferente do que ter outra voz e outro cérebro, com outra relação com os ouvintes, com outra cultura e outra memória. Estes gestores, que fazem comunicados de despedimento tratando as vítimas por “caros colegas”, não sabem o que é a cultura e a identidade de uma organização jornalística. E depois querem audiências e bons resultados de gestão. É a verdadeira quadratura do círculo!...

Um comentário:

Orlando Cruz disse...

Amanhã dia 14 ás 10 da manhã começa uma vigília em frente ao jornal de noticias para tentarmos que 160 trabalhadores da comunicação social não sejam despedidos , não faltem hoje são eles amanhã sereis vós, unidos venceremos o meu comentário é este com despedimentos o pais não vai para a frente isto é uma maneira de querer amedrontar os jornalistas no pais em geral com estes despedimentos a rádio ficará mais pobre os jornais ficarão mais pobres . e a democracia mais pobre pois são os jornalistas que ainda vão defendendo o povo destes ladrões que nos aparece , eu não ficarei calado mesmo que amanhã só lá esteja eu na vigília , quando se trata de trabalhadores despedidos a minha boca nunca se calará estarei amanhã do vosso lado