domingo, 14 de outubro de 2012

António Oliveira dá lições de comunicação ao Sporting


António Oliveira foi um dos melhores futebolistas da história do Sporting Clube de Portugal. Se jogasse hoje representaria, certamente, os melhores clubes do mundo. Depois de ter sido campeão no FC Porto de José Maria Pedroto e de se incompatibilizar com o presidente portista Américo de Sá – o último antes de Pinto da Costa subir ao poder –, Oliveira chegou a Alvalade já com 29 anos, pela mão do presidente João Rocha, e foi campeão nacional e vencedor da Taça de Portugal, com Malcolm Allison como treinador, em 1981-1982. No ano seguinte, Allison foi despedido antes do campeonato começar – por causa de excessos num estágio que decorreu na Bulgária, durante três longas semanas – e Oliveira foi chamado às funções de treinador-jogador, tendo chegado aos quartos-de-final da Taça dos Clubes Campeões Europeus. Foi o primeiro e único treinador-jogador da história do clube. É o autor da frase "Por cada Leão que cair outro se levantará", que ficou imortalizada nas paredes do Estádio de Alvalade, tendo sido proferida antes de um jogo com o Benfica, no qual não participou por estar lesionado, tendo o Sporting vencido por 3-1. Hoje, aos 60 anos, Oliveira continua a dar lições ao Sporting. Desta vez, são lições de comunicação, como demonstram as declarações prestadas numa entrevista ao jornal “A Bola”. Eis as frases:  

“Diga-me quantas vezes nos últimos tempos, a não ser agora, autorizado pelo presidente ou em substituição dele, um dirigente do FC Porto falou ou deu entrevistas?”

“Diga-me quantas vezes no Sporting, por exemplo, algum dirigente que não o presidente fala ou dá entrevistas?”

“Diga-me quantas vezes o FC Porto deixa passar uma notícia antes de haver a certeza daquilo que foi a decisão dos seus dirigentes?”

“Diga-me quantas vezes o Sporting deixa passar uma notícia antes de haver a certeza daquilo que foi a decisão dos seus dirigentes?”

“Li que o presidente do Sporting estava com dúvidas em impor o nome do seu treinador. Mas então quem é o responsável máximo pelo clube? É Godinho Lopes ou é o conjunto de pessoas que pode pôr em causa o nome do treinador que o presidente quer? Há aqui uma falta de liderança enorme.”

“Por que é que, por exemplo, os treinadores nunca têm sucesso no Sporting, depois saem e têm sucesso? Então e a culpa é só dos treinadores? Ninguém mais tem culpa? Escolhe-se um treinador, diz-se que é o melhor do mundo no presente e, no futuro, tem um mau resultado e é despedido? E a cena repete-se ano após anos. No modelo do FC Porto o presidente é a equipa, o dirigente é a equipa e a equipa é o dirigente e o presidente. Noutros clubes dá-me a sensação que há uma equipa de futebol e que depois os dirigentes são outra equipa. E que, às vezes, se calhar sem querer, são quase adversários.”

António Oliveira, antigo futebolista e treinador-jogador do Sporting Clube de Portugal (1981-1984), antigo jogador e treinador do FC Porto e antigo selecionador de Portugal, “A Bola”, 14-10-2012. Frases destacadas por Rui Calafate, no blog It’s PR Stupid

Um comentário:

eu sou assim disse...

Apesar de ser um sportinguista muito preocupado com o presente e futuro do clube, apesar de considerar que esta direção tem cometido erros atrás de erros de gestão e comunicação, não acho que António Oliveira possa dar lições de alguma coisa ao Sporting, muito menos dando como exemplo o FC Porto. António Oliveira foi um grande jogador. Ponto final, parágrafo. Depois disso foi irmão do Joaquim Oliveira. Podemos considerar que a forma como comunica este governo é errada. Mas não devemos utilizar como exemplo a Coreia do Norte ou a Venezuela.