quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Cachaça Ypióca gera milhões no Brasil



A marca de cachaça Ypióca, com sede em Fortaleza, está no centro de um negócio multimilionário no Brasil. A marca e a empresa, que registam a particularidade de terem sido fundadas por um imigrante português, no século XIX, tendo-se mantido na mesma família até agora, acabam de ser compradas pelos ingleses da Johnnie Walker
O grupo britânico de bebidas Diageo, produtor do wiskye Johnnie Walker e da vodka Smirnoff, pagou 900 milhões de reais (cerca de 342 milhões de euros) pela compra da fabricante brasileira de aguardente Ypióca aos descendentes de Dario Telles de Menezes – um imigrante português, que, em 1846, começou a produzir cachaça de cana-de-açúcar no Nordeste do Brasil. 
O negócio de milhões, que foi confirmado nesta quarta-feira, 31 de Outubro, pelo Conselho Administrativo de Defesa Económica (CADE) do Brasil, significa o regresso da Ypióca a mãos europeias, depois de ter sido fundada por portugueses, numa história, aliás, contada em linhas gerais no rótulo das garrafas que são vendidas em Portugal. A compra pelos ingleses é vista como uma excelente oportunidade para o aumento do consumo de cachaça no Brasil e no mundo. Os valores do negócio indicam isso mesmo, pois ninguém iria investir tanto dinheiro se não esperasse obter retorno. E a Diageo é a segunda maior companhia de bebidas alcoólicas do mundo.
Para além da marca Ypióca, os ingleses compraram uma destilaria, que produz a cachaça, localizada em Paraipaba, a 93 km de Fortaleza, a fábrica de engarrafamento, no bairro de Messejana, em Fortaleza, e o Centro de Distribuição Ypióca em Guarulhos (S. Paulo). Tendo como slogan “Paixão brasileira”, a Ypióca é a terceira maior marca do mercado de cachaça. Em 2011, as vendas da empresa somaram 300 milhões de reais. 
A prioridade de gestão da nova administração será assumir a liderança do mercado brasileiro: “A nossa prioridade é entender melhor como podemos adicionar valor ao produto e, assim, tornar a cachaça efetivamente um símbolo nacional e motivo de orgulho para todos os brasileiros”, explicou o novo presidente da Ypióca, o brasileiro Renato Gonzalez – um carioca que já trabalhou nos mercados do México, Jamaica e Holanda. Só depois será definida uma estratégia de marketing para o mercado internacional. A Ypióca, que tem um museu no terreno da primeira fábrica, em Maranguape, perto de Fortaleza, foi pioneira na exportação de cachaça para a Alemanha, em 1968.
A história da Ypióca começou em 1846, quando o imigrante português Dario Telles de Menezes, que chegara havia apenas três anos ao Brasil, iniciou a produção de cachaça. O seu conhecimento foi sendo transmitido de pai para filho e os negócios chegaram à quarta geração, estando em plena transição para a quinta. Mas a família Telles, sob a liderança de Everardo Telles, ex-presidente da Ypióca, continua no mercado como proprietária de três destilarias, ficando a produzir álcool e etanol para o grupo britânico. E tem negócios em outras áreas.

Um comentário:

Fran macfrazer disse...

Há alguns meses atrás eu fui a São Paulo e fiquei surpreso quando um amigo meu que mora lá me disse que existem muitos delivery de bebidas alcoólicas onde você pode obter todos os tipos de bebidas.